Você está em: economia/
  • Correios anunciam reajuste de 8% no frete

  • Os Correios anunciaram recentemente uma mudança que está prevista para ter início em 6 de março e que deve mexer com o bolso tanto de consumidores quanto de empresas. É que o valor dos fretes apresentou reajuste de 8,3%, percentual que é previsto em contrato anualmente, conforme a instituição informou à reportagem, e que está próximo à variação do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) do ano passado, que foi de 8,74%. “O frete no Brasil representa cerca de 60% do valor total da venda e muitas vezes isso é um problema. Da perspectiva do consumidor, ele geralmente procura o frete grátis ou de menor valor”, informa o especialista em marketplace e head da Becommerce, empresa do Grupo Mercado Livre, Frederico Flores.
    Em nota à reportagem, os Correios informaram que os percentuais podem variar de acordo com as abrangências, uma vez que os custos de operação também são distintos. Além da mudança dos preços, no entanto, a instituição afirma que houve uma reformulação das condições de oferta desses serviços, que teve como ponto de partida solicitações dos clientes por meio de pesquisas de satisfação, visitas comerciais e manifestações em nossos canais de relacionamento.
    “Entre as novidades, já está disponível para micro e pequenas empresas, por exemplo, o pacote Encomenda Básico, que pode ser contratado pela internet de forma simples e rápida. Esse pacote de serviços contempla preços mais competitivos em relação aos praticados na modalidade à vista, permite o pagamento a prazo e não possui cobrança de valor mínimo mensal”. O aumento não foi visto com bons olhos por parte dos lojistas, já que é necessária a partir de agora uma organização de forma que o valor aumentado não prejudique as vendas.
    Por isso, Frederico afirma, por meio de sua assessoria, que é possível que os lojistas colham algumas dicas, de forma que eles estejam preparados para o aumento dos fretes. Uma delas é a necessidade de negociação com fornecedores, já que a medida faz com que seja possível cortar custos em “uma ponta” para compensar os gastos na outra, o que pode significar manter valores de fretes e produtos. “Estabeleça um valor ou quantidade mínima de peças para compra que viabilize a oferta de frete mais barato ou até grátis. Essa estratégia ajuda a vender mais itens em uma única compra - compensando o benefício do frete oferecido ao consumidor”, afirma o especialista.
    Ainda segundo Frederico, é possível realizar ações direcionadas às regiões onde há maior concentração de clientes, já que seria possível filtrar as localidades com fretes mais baixos e criar ações como a venda casada de produtos, os combos - se livrando daqueles itens que ficaram “encalhados” no estoque. “Para não ser pego desprevenido com mudanças como essa, é preciso ter uma gestão de qualidade que ajude a controlar toda a logística do seu e-commerce e tomar decisões assertivas para não prejudicar a saúde financeira do seu negócio”, orienta.










    Fonte:www.oimparcial.com.br